Portal Nacional dos Municípios e Freguesias

Freguesia de Vimieiro - Municipio de Arraiolos

Menu da Freguesia

A freguesia do Vimieiro tem ocupação romana desde, pelo menos, o Neolítico, como o comprovam as várias antas existentes no seu território. Mas os mais antigos vestígios civilizacionais são romanos. Três pontes e duas calçadas características do modo de construção romano constituem provas físicas e indiciam que o território da actual freguesia tenha sido parte integrante de uma via secundária do Itinerário de Antonino Pio, constituído por três vias principais que ligavam Olisipo (Lisboa) a Augusta Emerita (Mérida), e várias vias secundárias que ligavam aquelas três entre si.
Mas o aglomerado populacional que deu lugar à vila do Vimieiro será muito provavelmente do século XII ou inícios do século XIII, tendo-lhe sido outorgado um foral em 1257, o primeiro documento em que a vila é referida.

Até 1437 teve administração da Coroa, mas nesse ano foi criado o senhorio do Vimieiro, com o seu primeiro donatário a ser D. Sancho de Noronha, Conde de Odemira. Foi o primeiro de doze senhores que exerceram o seu poder na vila, tendo cinco deles ostentado o título de Conde do Vimieiro.
Durante a Baixa Idade Média e Época Moderna foi uma entre várias vilas da região com um estatuto de nobilidade, sede de condado com direitos e deveres foralengos, já que em 1512 D. Manuel I também lhe atribui foral. 

Mas o apogeu da vila foi no século XVIII, mais precisamente durante a dominação de D. Sancho de Faro e Sousa, senhor que foi responsável pelas intervenções de restauro e enriquecimento arquitectónico e ornamental no seu palácio e na Igreja Matriz. Para além disso, por influência da sua mulher, a ilustre poetisa D. Teresa de Mello Breyner, tornou o Vimieiro num centro de tertúlia cultural, recebendo no Palácio da vila os mais distintos intelectuais do Portugal de então, onde brotavam as conversas à volta dos ideais Iluministas e da Arte Neo-Clássica, ainda hoje tão evidente na decoração do Jardim do Paço da vila.
Em 1801, com a morte de D. João de Faro e Sousa, extingue-se o senhorio da vila por inexistência de herdeiros. O Vimieiro passa para a posse da Coroa e em 1855, no âmbito de sucessivas reformas administrativas do Liberalismo, o concelho do Vimieiro é extinto e incorporado no de Arraiolos, onde permanece até hoje.

Até à actualidade o Vimieiro foi perdendo alguma importância na região, e as cíclicas crises políticas e económicas que têm assolado o país diminuíram drasticamente os níveis populacionais da vila, facto que é comum à maioria das terras do Alentejo. No entanto, as pessoas do Vimieiro mantêm características singulares e que lhes conferem uma identidade muito própria, de que são exemplo a sua natureza festiva e a tradição musical, ainda hoje muito enraizada. 


Conteúdo Brevemente Disponível

Entidades Públicas Nesta Freguesia

Estabelecimentos de Ensino Nesta Freguesia

Forças de Segurança Nesta freguesia

Empresas Nesta Freguesia

Centro Ciência Viva de Estremoz

O Centro Ciência Viva de Estremoz ocupa o antigo convento de S. João da Penitência, mais conhecido por Convento das Maltezas. Classificado como Monumento Nacional, trata-se de um edifício quinhentista de estilo gótico-manuelino, cuja construção faz uso de materiais regionais, com destaque para o mármore de Estremoz.

O tema principal do Centro Ciência Viva de Estremoz é o funcionamento do nosso planeta, visto na perspetiva dos geólogos, dedicando uma especial atenção ao contexto geológico da região. O Centro tem uma parceria científica com a Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora, através do Laboratório de Investigação de Rochas Industriais e Ornamentais e do Instituto de Ciências da Terra.

INFORMAÇÕES ÚTEIS:

Morada:
Espaço Ciência, Convento das Maltezas
7100 - 513 Estremoz
GPS: 38.8428421021, -7.5855259895
(+351) 268 334 285

Horários:

10h00 - 18h00 (terça a domingo).
Encerra nos feriados.

Saber mais sobre Centro Ciência Viva de Estremoz

OS CIRCUITOS CIÊNCIA VIVA

Os Centros Ciência Viva integram um programa de turismo do conhecimento - os Circuitos Ciência Viva - que o desafia a explorar 18 destinos em Portugal com o que de mais único pode descobrir. Em família ou com amigos, são mais de 200 as etapas que revelamos contando histórias, explicando factos, fenómenos e despertando para novas perguntas.

Partindo de cada Centro Ciência Viva, estas viagens cruzam museus e monumentos, parques e reservas naturais, grutas e minas, ateliês e oficinas, experiências de aventura e paisagens singulares.

Durante um ano, com um cartão, um guia e uma app, pode visitar gratuitamente os 20 Centros Ciência Viva, as vezes que quiser, e usufruir de vantagens em mais de 200 parceiros de todo o país.

É um presente para a família explorar durante um ano, com o espírito curioso dos viajantes.

Saiba mais aqui sobre os Circuitos Ciência Viva

Sem ofertas disponíveis actualmente nesta freguesia.