Portal Nacional dos Municípios e Freguesias

Freguesia de Ribamar - Municipio de Lourinhã

Menu da Freguesia

Ribamar é uma das mais antigas localidades ao nível do povoamento pois, apesar de pouco se saber sobre a sua origem, pensa-se que remonte ao séc. XVI, uma vez que em 1527, no reinado de D. João III, foi efectuado um censo da população do reino e, Ribamar, já contava com cerca de 12 habitantes.

A origem do seu nome, Ribamar, poderá de certa forma estar relacionado com o facto de se situar junto às arribas do mar. O mar e a pesca vão entrar nos pergaminhos da sua história. 

Não foram apenas os homens que se sentiram atraídos pelo esplendor da terra e do mar; há muitas dezenas de milhões de anos já os dinossauros acharam motivos para aí habitar. Talvez a Praia de Porto Dinheiro tenha sido uma estação pré-histórica dessa espécie, como comprovam os fósseis  encontrados na orla costeira, desde 1988, pelas comunidades de arqueólogos, e preservados como memória do período Jurássico, no Museu da Lourinhã.

Dizem os mais velhos que os piratas gritavam do mar: arriba, arriba, arriba do mar...! Muitas são as lendas que se vão contando de geração em geração, entre mouros e piratas, que terão povoado as suas terras (lenda da Cova da Moura). 

Em meados do séc. XIX e durante grande parte da sua existência, Ribamar foi uma povoação de agricultores, que praticava a agricultura de subsistência, à semelhança de todo o Concelho da Lourinhã. Vizinha do mar, que tanto influenciou a sua vida quotidiana, dele tirou partido, muitas vezes, como alternativa à agricultura, dedicando-se à pesca na zona costeira, em pequenas embarcações, desde as armações aos barcos a remos. Podiam desfrutar de duas fontes de subsistência: terras férteis e mar. Numa gestão territorial e familiar de actividades, aproveitavam os recursos naturais , nomeadamente as grandes quantidades de árvores para a construção naval e um excelente local para porto de pesca: Porto Dinheiro, então designado por Porto Direito.

A povoação nasceu de uma das zonas mais baixa de Ribamar, denominada Lugar Velho, pois era um local recôndito, a pouca distância da costa, e onde dificilmente piratas e assaltantes avistariam as suas casas.

No séc. XIX, com a lei que obriga o munícipio a aforar os baldios, quer para a agricultura, quer para a construção urbana, Ribamar assiste à sua primeira explosão habitacional e demográfica. Surgiram então novos aglomerados populacionais com novas moradias, nas proximidades da estrada principal que atravessa a localidade, que vai delinear a estrutura em torno da qual o espaço urbanizado se irá expandir. Este crescimento requer nova reorganização administrativa e religiosa, e Ribamar foi factor de peso e importância, aquando da criação da Freguesia de Santa Bárbara, em 1956, quando foi desanexada da freguesia da Lourinhã. Ribamar passou, então, a pertencer à Freguesia de Santa Bárbara.

A par do crescimento e da transformação socio-económica, há um impulso na sua dinâmica social e as aspirações das suas gentes revelam o desejo de uma maior autonomia, dando cumprimento a um dos seus velhos anseios: a criação da Freguesia de Ribamar, projecto aprovado em 31 de Dezembro de 1984. No dia 5 de Outubro de 1993 foi inaugurada a sede da Junta de Freguesia de Ribamar.

A povoação de agricultores privilegiou a pesca como ocupação principal. Por volta dos anos 80/90, novas tecnologias e novas rotas (Marrocos e Mauritânia) trouxeram, além da lagosta, outro pescado (pampo, nero, pargo mulato, corvina, etc) e impulsionaram actividades ligadas ao mar, como a indústria, o comércio e os serviços. O mar foi pois o motor gerador de riqueza, fazendo florescer uma nova economia com reflexos na vida familiar e social.

Este desenvolvimento vai-se reflectindo, e é acompanhado da crescente implementação de equipamentos sociais estruturantes, nomeadamente: a primeira escola fundada em 1933; a criação da segunda escola, de quatro salas, em 1961; a igreja inaugurada a 12 de Dezembro de 1970; a luz eléctrica e abastecimento de água, a 13 de Dezembro de 1964; em 1972 o movimento de Acção Católica Rural cria uma comissão para a criação do Centro Social de Ribamar, cujos estatutos foram aprovdos em 20 de Junho de 1977; a Casa do Oeste é inaugurada em 3 de Junho de 1979; o Rancho Folclórico criado em 1980; a secção de socorros em 1988 e o pavilhão gimnodesportivo em 1994.

 

ACHADOS ARQUEOLÓGICOS

O subsolo é formado por terrenos fertéis e produtivos.

Desde 1988 que são fonte de reservas de achados paleontológicos em exploração/investigação, com a descoberta, nas arribas da praia de Porto Dinheiro, do Brachiosaurus (esqueleto de um herbívoro de 20 metros de comprimento e de 20 toneladas de peso) passando pelo Dinheirosaurus Lourinhanensis, pelos gastrólitos, pegadas de carnívoros (2005), reportados ao Jurássico Superior, há cerca de 150 milhões de anos.


Conteúdo Brevemente Disponível

Entidades Públicas Nesta Freguesia

Estabelecimentos de Ensino Nesta Freguesia

Forças de Segurança Nesta freguesia

Empresas Nesta Freguesia

Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva

Situado no Parque das Nações, em Lisboa, é o maior centro interativo de ciência e tecnologia do país. Ao longo de mais de 11 000 m2, o conhecimento científico alia-se à emoção e ao prazer da descoberta. Grandes exposições temáticas e centenas de módulos interativos estimulam a exploração do mundo físico e a experimentação por parte de visitantes de todas as idades.

O Pavilhão do Conhecimento ocupa o edifício do Pavilhão do Conhecimento dos Mares da Expo’98, uma obra premiada do arquiteto João Luís Carrilho da Graça.

INFORMAÇÕES ÚTEIS:

Morada:
Largo José Mariano Gago, Parque das Nações
1990 - 223 Lisboa
GPS: 38.7603607178, -9.0956153870
(+351) 218 917 100

Horários:

10h00 - 18h00 (terça a sexta-feira)
11h00 - 19h00 (fins de semana e feriados)

Saber mais sobre Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva

Planetário Calouste Gulbenkian - Centro Ciência Viva

O Planetário Calouste Gulbenkian surge do sonho e da iniciativa do Comandante Eugénio Conceição Silva, Oficial da Marinha e brilhante astrónomo amador. Projetado pelo arquiteto Frederico George, foi construído com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian entre 1963 e 1965. Em 2004 e 2005 o Planetário foi alvo de uma extensa recuperação, fruto de uma parceria com a Ciência Viva, que se tornou assim no seu principal parceiro. O actual projetor consegue apresentar mais de 9 000 estrelas, bem como a Via Láctea, cúmulos estrelares e nebulosas, as figuras das constelações e linhas didáticas auxiliares.

INFORMAÇÕES ÚTEIS:

Morada:
Praça do Império
1400 - 206 Lisboa
GPS: 38.6983375549, -9.2089462280
(+351) 210 977 350

Horários:

Terça a sexta-feira: 9h30 - 12h00 e 13h45 - 16h00
Sábado: 13h45 - 16h30

Saber mais sobre Planetário Calouste Gulbenkian - Centro Ciência Viva

OS CIRCUITOS CIÊNCIA VIVA

Os Centros Ciência Viva integram um programa de turismo do conhecimento - os Circuitos Ciência Viva - que o desafia a explorar 18 destinos em Portugal com o que de mais único pode descobrir. Em família ou com amigos, são mais de 200 as etapas que revelamos contando histórias, explicando factos, fenómenos e despertando para novas perguntas.

Partindo de cada Centro Ciência Viva, estas viagens cruzam museus e monumentos, parques e reservas naturais, grutas e minas, ateliês e oficinas, experiências de aventura e paisagens singulares.

Durante um ano, com um cartão, um guia e uma app, pode visitar gratuitamente os 20 Centros Ciência Viva, as vezes que quiser, e usufruir de vantagens em mais de 200 parceiros de todo o país.

É um presente para a família explorar durante um ano, com o espírito curioso dos viajantes.

Saiba mais aqui sobre os Circuitos Ciência Viva

Sem ofertas disponíveis actualmente nesta freguesia.