Portal Nacional dos Municípios e Freguesias

Freguesia de Alcoentre - Municipio de Azambuja

Menu da Freguesia

Alcoentre é uma freguesia portuguesa do concelho da Azambuja, com 47,05 km² de área e 3 448 habitantes (2011).

Densidade: 73,3 hab/km².   Foi vila e sede de concelho entre 1174 e meados do século XIX. Era constituído apenas por uma freguesia e tinha, em 1801, 1 054 habitantes.

Após 1834, foram-lhe anexadas as freguesias de Alguber, Cercal, Figueiros e Manique do Intendente. Tinha, em 1849, 3 600 habitantes.

 

Fundada no ano de 970 da era cristã, no tempo do rei mouro D. Ramiro III, recebeu primeiro o nome de al-quniTrâ” dimunitivo de “al-qanTarâ”, ou Alcântara, que significa – a pequena ponte.

Alcoentre recebe o primeiro foral de D. Afonso Henriques na cidade de Coimbra, em outubro de 1174 e torna-se a mais antiga unidade de administração e circunscrição local do concelho de Azambuja. Desde que Alcoentre foi arrolada pela Coroa manteve-se “terra reguengueira” (ou terra do rei) até D. Dinis. Neste reinado deixa de ser terra do rei, também conhecido como Lavrador, para iniciar um longo percurso como terra de jurisdição senhorial particular. Aquele foral foi reformulado por D. Manuel em Lisboa, a 26 de Setembro de 1513.

 

Origem e evolução de Alcoentre

Alcoentre foi concelho monoparoquial, da paróquia de Santa Maria de Alcoentre ou Nossa Senhora da Purificação de Alcoentre – do século XII ao século XIX. (1174 e 1836). Foram praticamente 700 anos da história de Alcoentre como concelho.

Alcoentre nasce como concelho e inicia assim o processo de formação da sua identidade e memória histórica, no contexto da conquista do território iniciada por D. Afonso Henriques, processo em que a expansão até à fronteira natural que o Tejo representava. Alcançado este limite em 1147 com a conquista de Santarém e Lisboa, tornou-se imperioso e urgente atrair povoadores que garantissem a ocupação e defesa, como forma de consolidar a conquista face ao poderio muçulmano que dominava a Sul dessa fronteira natural.

Essa política justificava o primeiro foral outorgado a Alcoentre por D. Afonso Henriques em 1174, em Coimbra. Com este outorgamento nascia formalmente mais um concelho no novo território português, e a geografia e termo ficava praticamente firmada, território e recursos governado segundo tradição pela assembleia de homens-bons do concelho que decidia sobre as coisas comuns e daí esse primeiro foral ser uma carta de aforamento aos moradores. Esta forma tão incipiente, mas tão perita e subtil de governança local teria durado cerca de um século até D. Dinis ter feito doação de Alcoentre ao seu filho D. Afonso Sanches e à sua mulher D. Teresa Martins, passando a ser terra senhorial de um donatário. Este senhor particular detinha a jurisdição integral que abrangia tanto o campo-político administrativo como jurídico-religioso. Durante 700 anos a jurisdição da Vila sempre esteve nas mãos dos sucessores de D. Afonso Sanches e de D. Teresa Martins, seus primeiros senhores donatários, primeiro na “casa” dos Condes e Marqueses de Vila Real até ao século XVI, altura em que passa por dote materno a Martim Afonso de Sousa, do qual descendem os Condes de Vimieiro, até à extinção da casa no séc. XVIII, altura em que Alcoentre volta à administração da Coroa.

É no século XIX que o concelho de Alcoentre conhece dois grandes momentos que marcam a sua derradeira história. Um primeiro momento é marcado pela expansão territorial e o aumento do número de paróquias que o passaram a constituir – Alcoentre, Manique do Intendente, Cercal Alguber e Figueiros – e um segundo momento que é o da sua extinção e integração no concelho de Azambuja. Aquela que fora a mais antiga unidade autónoma de administração e circunscrição local do atual concelho de Azambuja dava lugar à realidade contemporânea de freguesia.

Mas também os concelhos vizinhos foram alvo de reordenações. O decreto de 6 de Novembro de 1836, da responsabilidade de Passos Manuel, reduziu as unidades concelhias de cerca de oitocentas para pouco mais de 350, tendo sido favorável para Alcoentre, Azambuja e Cadaval que ganham novas freguesias. Alcoentre ganha as freguesias de Alguber, Cercal, Figueiros e Manique do Intendente. Cadaval passa a ter as freguesias de Bombarral e Carvalhal, que pertenciam a Óbidos. Azambuja ganhou as freguesias de Nossa Senhora do Rosário de Aveiras de Baixo, Nossa Senhora da Purificação de Aveiras de Cima.

Contudo em 1855 o concelho de Alcoentre, recentemente aumentado, acaba por ser extinto e é agregado ao concelho de Azambuja. Também o vizinho município de Cadaval é extinto em 1895, sendo as 9 freguesias que o constituíam anexadas aos concelhos vizinhos. Ao concelho de Azambuja coube as freguesias de Lamas, Cercal e Peral. Cadaval e Vilar foram anexadas a Alenquer, Pêro Moniz e Vermelha foram atribuídas a Óbidos e Alguber e Figueiros a Rio Maior. Após insistentes reclamações de Alenquer, Lamas passa a integrar Alenquer em Maio de 1986. Em 1898 o concelho de Cadaval volta ao seu formato inicial.


Conteúdo Brevemente Disponível

Estabelecimentos de Ensino Nesta Freguesia

Forças de Segurança Nesta freguesia

Empresas Nesta Freguesia

Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva

Situado no Parque das Nações, em Lisboa, é o maior centro interativo de ciência e tecnologia do país. Ao longo de mais de 11 000 m2, o conhecimento científico alia-se à emoção e ao prazer da descoberta. Grandes exposições temáticas e centenas de módulos interativos estimulam a exploração do mundo físico e a experimentação por parte de visitantes de todas as idades.

O Pavilhão do Conhecimento ocupa o edifício do Pavilhão do Conhecimento dos Mares da Expo’98, uma obra premiada do arquiteto João Luís Carrilho da Graça.

INFORMAÇÕES ÚTEIS:

Morada:
Largo José Mariano Gago, Parque das Nações
1990 - 223 Lisboa
GPS: 38.7603607178, -9.0956153870
(+351) 218 917 100

Horários:

10h00 - 18h00 (terça a sexta-feira)
11h00 - 19h00 (fins de semana e feriados)

Saber mais sobre Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva

Planetário Calouste Gulbenkian - Centro Ciência Viva

O Planetário Calouste Gulbenkian surge do sonho e da iniciativa do Comandante Eugénio Conceição Silva, Oficial da Marinha e brilhante astrónomo amador. Projetado pelo arquiteto Frederico George, foi construído com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian entre 1963 e 1965. Em 2004 e 2005 o Planetário foi alvo de uma extensa recuperação, fruto de uma parceria com a Ciência Viva, que se tornou assim no seu principal parceiro. O actual projetor consegue apresentar mais de 9 000 estrelas, bem como a Via Láctea, cúmulos estrelares e nebulosas, as figuras das constelações e linhas didáticas auxiliares.

INFORMAÇÕES ÚTEIS:

Morada:
Praça do Império
1400 - 206 Lisboa
GPS: 38.6983375549, -9.2089462280
(+351) 210 977 350

Horários:

Terça a sexta-feira: 9h30 - 12h00 e 13h45 - 16h00
Sábado: 13h45 - 16h30

Saber mais sobre Planetário Calouste Gulbenkian - Centro Ciência Viva

OS CIRCUITOS CIÊNCIA VIVA

Os Centros Ciência Viva integram um programa de turismo do conhecimento - os Circuitos Ciência Viva - que o desafia a explorar 18 destinos em Portugal com o que de mais único pode descobrir. Em família ou com amigos, são mais de 200 as etapas que revelamos contando histórias, explicando factos, fenómenos e despertando para novas perguntas.

Partindo de cada Centro Ciência Viva, estas viagens cruzam museus e monumentos, parques e reservas naturais, grutas e minas, ateliês e oficinas, experiências de aventura e paisagens singulares.

Durante um ano, com um cartão, um guia e uma app, pode visitar gratuitamente os 20 Centros Ciência Viva, as vezes que quiser, e usufruir de vantagens em mais de 200 parceiros de todo o país.

É um presente para a família explorar durante um ano, com o espírito curioso dos viajantes.

Saiba mais aqui sobre os Circuitos Ciência Viva

ADQUIRIR CARTÃO

Sem ofertas disponíveis actualmente nesta freguesia.