Portal Nacional dos Municípios e Freguesias

A Lenda de Nossa Senhora do Fetal - Batalha

Em tempos idos, em Reguendo do Fetal, num ano em que a seca e a fome predominavam, uma menina apascentava o seu pequeno rebanho, observando desconsoladamente as suas ovelhas, que famintas, disputavam as raras ervas secas que saíam da terra.

 

A menina chorava, perdida nos seus pensamentos, até que de repente, uma mulher surgiu de entre os fetos, perguntando à menina porque chorava. Surpreendida, a criança explicou que tinha fome ao que a mulher respondeu suavemente:

 

-Vai para casa e pede à tua mãe que te dê pão.

 

A menina retorquiu alegando que a mãe nada tinha para lhe oferecer, mas a mulher insistiu:

 

-Vai, faz o que te digo. Diz à tua mãe que abra a arca porque lá encontrará alimento. Diz-lhe também que foi uma mulher que encontraste que to disse.

 

A criança assim fez, deixando as poucas ovelhas a cargo da desconhecida, pensando no entanto, que chegaria a casa e como sempre, nada encontraria para comer.

 

Quando chegou finalmente, a mãe vendo que a filha não trazia consigo as ovelhas, ralhou e zangou-se, mandando-a de volta ao campo em busca dos animais. No entanto, a menina, por entre soluços e um choro incessante, tentou explicar à mãe o que tinha sucedido.

 

Contrariada perante a insistência da filha, a mãe dirigiu-se à arca verificando estarrecida, que esta se encontrava cheia de pão delicioso. Pegou num dos pães, partiu-o e deu metade à filha.

 

Feliz como já há muito não se encontrava, a menina lá foi, dançando e cantando em direcção ao campo, encontrando a desconhecida no mesmo local onde a havia deixado momentos antes.

 

Agradeceu então à mulher, dando enormes dentadas no pão que trazia consigo. A mulher pediu então à menina, que lhe fizesse um favor: que se dirigisse à aldeia, dissesse a todos que ela era a Mãe de Deus e de seguida, os levasse até àquele local para que lhe fizessem uma ermida.

 

A menina anuiu, avisando porém que ninguém acreditaria em tal informação, ao que a mulher respondeu, que pedisse ajuda à sua mãe, se necessário.

 

ad_horizontal

 

Assim foi, a menina dirigiu-se à aldeia, não sem antes se voltar para contemplar aquela linda mulher e lhe fazer adeus. Mal a menina se voltou, a mulher desapareceu.

 

Chegada à aldeia, reuniu o máximo de pessoas possível e contou o que se passara, pedindo a todos que a acompanhassem, pois a Mãe de Deus os esperava no campo.

 

Cépticos, um a um lá se foram juntando ao grupo que acompanhava a menina em direcção ao dito local, no entanto, quando finalmente chegaram, a senhora já lá não estava.

 

Enfurecidos pela perdade tempo, todos murmuravam, criticando a menina, mas esta alheia a tudo, encontrou uma pequenina imagem em pedra, igual à senhora que lhe havia aparecido, mostrando-a aos presentes. Do local onde a imagem foi retirada, brotou então uma fonte de água pura, fresca e milagrosa.

 

A emoção era geral, pelo que a população, como um só e apesar dos fracos recursos que possuía, iniciou nesse mesmo dia a construção da ermida, ao lado da fonte.

 

Quando a obra terminou, colocaram no seu interior a imagem chamando-lhe Senhora do fetal, eternizando desse forma o local onde fora encontrada.

 

 

 

POR: PNMF




ENVIE ESTE ARTIGO POR EMAIL PARA UM(A) AMIGO(A) >>


Ajude a divulgar este artigo, Partilhe!
552 PARTILHAS / VISITAS

PODERÁ GOSTAR DE LEROUTROS ARTIGOS EM DESTAQUE




DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO / QUESTÃO SOBRE ESTE TEMA: