Portal Nacional dos Municipios e Freguesias


Júlio Resende e os desenhos feitos na Póvoa nos anos 50

Júlio Resende e os desenhos feitos na Póvoa nos anos 50

A mostra vai estar presente até dia 31 de agosto no Museu Municipal.

A abertura da exposição contou com a presença do Presidente da Câmara, Aires Pereira, que manifestou a sua alegria em ter o artista novamente na cidade. E porquê novamente? Porque Júlio Resende lecionou na Escola Secundária Rocha Peixoto nos anos 50 e os desenhos feitos nessa década estão agora expostos no Museu.

O autarca confessou que a Póvoa de Varzim demorou muito até encontrar-se mas que, nos últimos anos, “conseguimos criar eventos marcantes educando o público para a cultura, como é o caso do Correntes d’Escritas e do Festival Internacional de Música, ou celebrando o associativismo com Os Dias no Parque”.

Veja a fotogaleria.

Júlio Resende, nascido no Porto a 23 de Outubro de 1917, frequentou as Escolas de Belas-Artes do Porto e de Paris, tendo iniciado a sua atividade artística como ilustrador em semanários infantis e na imprensa diária ainda quando era jovem.

Em 1946, ano em que apresentou a sua primeira exposição em Lisboa, Júlio Resende obteve uma bolsa de estudo no estrangeiro do “Instituto para a Alta Cultura”, tendo sido nesta sua passagem pela Europa, em especial por Paris e Madrid, onde teve contacto com as obras de Picasso e Goya, que Júlio Resende despertou para a pintura abstracionista.

"Mas eu queria, efetivamente, ser pintor! Talvez o destino me tenha proporcionado o primeiro passo. Aurora Jardim, figura conhecida nos meios literários e jornalísticos do Porto, intercedera junto do pintor Alberto Silva que dirigia, então, a Academia Silva Porto, para que eu viesse a frequentar as lições de pintura aí ministradas. Comprei a primeira caixa de tintas «a sério», e aprendi a colocar as cores na paleta, segundo as boas regras", escreveu o pintor, no site Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende, instituição onde está reunido um espólio de cerca de dois mil desenhos que Júlio Resende reuniu ao longo da sua carreira.

Na década de 1950, o pintor fixa-se no Porto, partilhando o tempo entre a arte e o ensino. Por influência da região, a gente do mar passou a constituir o tema dominaste da sua pintura, tendo apresentado a sua obra em exposições individuais em países como Espanha, Bélgica, Noruega e Brasil. Por vários anos, foi o representante de Portugal em exposições colectivas nas Bienais de Veneza, Ohio, Londres, Paris e São Paulo, nesta última destacando-se em 1951, quando venceu o Prémio Especial da Bienal. Em 1959, volta a surpreender, conseguindo uma menção honrosa, e dez anos depois, vence o Prémio Artes Gráficas na Bienal de Artes de S. Paulo, com ilustrações do romance "Aparição".

Nos anos 1960, Resende interessou-se ainda por projetos de decoração e arquitetura, colaborando na decoração do Palácio da Justiça de Lisboa, para onde realizou seis painéis em grés. No Porto, criou dois painéis cerâmicos para o Hospital de São João e ainda o gigantesco painel de azulejos "Ribeira Negra" existente à saída do tabuleiro inferior da Ponte de D. Luís I. Os painéis acabariam mesmo por se tornarem num dos seus trabalhos mais apreciados.

 

RECEBA DIARIAMENTE AS NOTÍCIAS E EVENTOS DE
Póvoa de Varzim

Registe aqui seu email para receber diariamente as últimas notícias e os próximos eventos a decorrer neste concelho.

EM DESTAQUEÚLTIMAS NOTÍCIAS DE Póvoa de Varzim - VER TODAS